Reflexões, Versos & Prosa

Não quer brincar, não desce pro play!

image_pdfimage_print

Uma das obras literárias mais traduzidas no mundo deixou-nos um mandamento: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. Embora Le Petit Prince jamais tenha tido um Insta, ele tinha uma rosa que certamente seria Youtuber! Convencida e orgulhosa, a rosa (única em seu mundo) era a rainha do melodrama! Mesmo assim, a raposa convence o principezinho de que o tempo que ele havia “perdido” com a rosa fazia dele responsável por ela.

Porém, bem diferente do B-612, nosso mundo ainda não aprendeu a lidar bem com a responsabilidade do cativar. No esvaziamento das palavras, trocamos o gostei por dois cliques. Na verdade, nós criamos um novo idioma, também vazio, chamado xaveco. E se na época dos nossos pais, ele era traduzido por jogar uma pedrinha no portão da casa dela, hoje, basta curtir umas 30 fotos na sequência.

Goste você ou não, esse idioma tem sotaques que precisam ser bem traduzidos – e nem todo mundo fala bem essa língua. Enquanto para uns, “gostei” significa simplesmente isso, para outros, é a incorporação do Greg, todo empolgado, dizendo pro embuste: “Cara, ela tá tão na sua!” O tema fez até com que @ocaradocartaz explicasse: “Sou legal, não tô te dando mole”.

Mas, diante de tantos dialetos, me perguntou uma amiga: “Se ele não queria nada, pra quê ficou no meu pé?”. Minha vontade era responder: “Porque é um imbecil”, mas contive e filosofei: “É só mais um Caçador do Flerte”. É gente que é viciada no flerte pelo flerte. Em ver a mina se derretendo pelas frasezinhas prontas de para-choque de caminhão. E não! Não é só a bobinha que cai nessas, é a de coração bom também. É a que não vê maldade no outro, porque seu coração não é mau. É a que acredita, não ingenuamente, mas com esperança, de que ainda existe o amor.

É triste saber que tem gente que não entendeu a responsabilidade que há no trazer pra perto, no convite pro amor, no “tô com saudade de você”. Tentar é diferente de brincar. Arriscar é diferente de apostar.

Amigão, antes de sair curtindo um milhão de fotos dela e trazê-la pra sua roleta russa da paixão, você precisa aprender com a raposa: “O essencial é invisível aos olhos, e só se pode ver com o coração”.

Deixa quieto, melhor.

Quem leu esta reflexão também gostou de

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *