Graça, Reflexões

Minas, a culpa não é sua!

image_pdfimage_print

Desde que me entendo por crente, todas as vezes que acontecem catástrofes ou acidentes naturais, surge uma espécie de teologia do castigo. Eu jamais seria incoerente e precipitado em desrespeitar quem pensa assim, até porque, isto não é teologia, é opinião. E se pastores e cantores, a quem respeito e considero, pensam diferente, quem sou eu na fila do pão para discordar por discordar. Porém, justamente por se tratar de opinião, quero, com respeito, expressar a minha.

Acho, primeiramente, muito cruel, diante da tragédia provocada pelas chuvas em Minas Gerais, associarmos isso a um possível juízo de Deus. Imagine que você acabou de perder entes queridos, um irmão, um filho… a sua mãe nessa catástrofe, e se depara com a seguinte “opinião”: a culpa é sua! Os seus pecados provocaram a ira de Deus e Ele está exercendo juízo sobre a sua cidade. Me desculpe! Não vejo suporte neotestamentário para isso. Mas, DE NOVO, respeito quem pensa assim.

Me parece que no tempo de Jesus, aconteceu algo parecido. Uma torre havia caído sobre trabalhadores, e dá-se a entender que as pessoas estavam associando isso à essa lógica do castigo divino. O comentário de JESUS sobre isso é muito esclarecedor: “…vocês pensam que aqueles dezoito que morreram, quando caiu sobre eles a torre de Siloé, eram mais culpados do que todos os outros habitantes de Jerusalém?” Lc. 13.4

Pra mim, a lógica do Mestre é a seguinte: se Deus fosse exercer juízo sobre nós neste tempo, São Paulo teria que ser fulminada imediatamente! Me parece pouco provável, que uma cidade interiorana, onde moram pessoas muito simples e de poucos recursos, comparando-se às grandes metrópoles, seja mais pecadora que essa verdadeira Sodoma em suas madrugadas de prazer ilícito e assassinatos cruéis.

Finalmente, com todo respeito, vejo arrogância em achar que nosso bom comportamento possa aplacar a ira de Deus. Pra mim, isso foi feito exclusivamente na cruz, por Jesus! De novo, na minha humilde opinião, o juízo de Deus está guardado até o Grande Dia. Até lá, importa que o joio cresça com o trigo.

Que o Eterno tenha misericórdia desse povo que, para amá-Lo, tem 3 corações.

No amor do Pai,

Roger

Quem leu esta reflexão também gostou de

  • Orar pra quê?Orar pra quê? Quem frequenta alguma igreja histórica deve conhecer aquele tipo de diácono que é o “dono das chaves”. Cresci vendo essa figura na minha […] Posted in Reflexões, Oração
  • O riscoO risco Fazia muito calor e eu estava com preguiça de montar a mesa só pra mim e pra minha filha. Então, peguei uma mesinha que tenho aqui e levei […] Posted in Reflexões, Esperança
  • Minha pequena luzMinha pequena luz "Todos os que estão sob o jugo da escravidão devem considerar seus senhores como dignos de todo respeito, para que o nome de Deus e o […] Posted in Reflexões, Pastoral
  • O culto da vidaO culto da vida “Pedro declarou: ‘Ainda que todos te abandonem, eu não te abandonarei!’. Respondeu Jesus: ‘Asseguro-lhe que ainda hoje, esta noite, antes […] Posted in Reflexões, Pastoral

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *