Pastoral, Reflexões

Não dói mais, e isso dói

image_pdfimage_print

Talvez, dentre todos os mistérios da vida, o mais intrigante seja a existência da dor. Atire a primeira pedra aquele que nunca se questionou sobre o porquê de estar passando por determinado sofrimento. A questão é tão relevante que se tornou arma letal na mão do ateu: “Se Deus é tão bom, por que sofremos?”

Ao procurarmos por uma segunda opinião, temos a resposta pronta do bom samaritano: “Você está passando por isso para que um dia possa ajudar alguém”. O problema dessa solução paliativa é que não há altruísmo suficiente nesse mundo que alivie certas dores. Elas são perenes e, simplesmente, insistem em doer.

Em seu livro “Alma Sobrevivente”, Philip Yancey relata um comentário do Dr. Paul Brand sobre seus pacientes de hanseníase (antigamente conhecida como lepra). O Dr. Brand insistia na grande importância da dor, já que, por destruir as terminações nervosas, a hanseníase não permite que o doente sinta dor, por isso, ele acaba tendo infecções por, por exemplo, pegar um cabo de vassoura lascado – vem a infecção, e ele não cuida do problema porque nenhuma dor o alerta.

Assim, nos traz certo alívio saber que a dor tem pelo menos um propósito: nos alertar de que algo está errado. Uma pessoa amargurada, ferida, mais cedo ou mais tarde acaba nos ferindo. O diagnóstico precoce do “ela é assim mesmo” é puro placebo pra consciência. O melhor remédio nesses casos é usar um bom estetoscópio para ouvir o coração.

Te apresentei todo esse cenário apenas pra te dizer uma coisa: enquanto dói, não reclame, ainda há esperança. Se te machuca, é porque você ainda sente e pode tratar. Enquanto te incomoda, é porque você ainda se importa, seu coração ainda está batendo.

Conselho de amigo: trate enquanto dói, porque se parar de doer sem ter sido tratado, é porque algo morreu.

Quem leu esta reflexão também gostou de

  • Nem força nem violência: respeitoNem força nem violência: respeito Vivemos a era do politicamente correto. Para uns, ter que ponderar aquilo que se fala ou evitar piadas preconceituosas é algo tedioso, […] Posted in Reflexões, Pastoral
  • Escolha!Escolha! É verdade que o ser humano é uma caixinha de surpresas, mas não podemos negar que, de forma geral, somos bem previsíveis. Ao que me […] Posted in Reflexões, Pastoral
  • Não dá pra pular etapasNão dá pra pular etapas Eu tive depressão. Por um ano, fiquei trancado na casa dos meus pais. Não ia à igreja, não passeava, não comia direito, fugi dos amigos, […] Posted in Reflexões, Provações
  • Jesus chorouJesus chorou Parece-me que a notícia ruim chegou em tom de cobrança: “Olha, o seu amigo, aquele a quem você diz amar, está muito doente!”. Parece-me […] Posted in Reflexões, Pastoral

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *