Esperança, Reflexões

Por que você ainda duvida?

image_pdfimage_print

João era primo de Jesus. Os dois cresceram num ambiente cheio de profecias, revelações, milagres, teofanias e tudo mais. A história de infância deles era tão mística, que Lucas diz que não apenas todos os vizinhos, mas toda a região montanhosa da Judeia falava sobre ela. Fico imaginando, então, como eram os almoços em família desses dois. Ah, quanta história eles deviam ouvir… E se você cresceu numa família nordestina como eu, então, deve saber bem como é isso — nossos pais são cheios de histórias.

Imagine Zacarias contando como emudeceu, literalmente, logo após um anjo dizer a ele que seria pai depois de velhinho! Deve ter sido hilário ouvir sua esposa Isabel contando como o marido teve que escrever numa tabuinha o nome do filho porque não podia falar. Imagine, então, Maria, mãe de Jesus, contando sobre a vez em que foi visitar sua prima, e mal chegou à casa, João pulou dentro da barriga da Isa! Ao que a prima Isa completa: “Verdade! Eu entrei no mistério na hora e comecei a profetizar!”

Journey

O mais interessante é que essas histórias não se restringiram à infância dos meninos, mas os seguiram por toda a vida. Talvez, por isso, João tenha se tornado um profeta tão ousado. Sua mensagem era dura e não se intimidava nem mesmo perante as autoridades. “Raça de víboras!” era provavelmente um dos adjetivos mais sutis que o profeta usava. Seu ministério não apenas anunciava a vinda do Senhor Jesus, mas também pregava a justiça e o arrependimento. O auge de sua vida ministerial se dá, quando seu primo vem a ele para ser batizado. Mais uma vez, os dois testemunham um sinal divino, o próprio Espírito Santo desce sobre Jesus em forma de pomba. E para eliminar qualquer sombra de dúvida que porventura houvesse a respeito da divindade de Jesus, uma voz do Céu ecoa: “Tu és o meu Filho amado; em ti me agrado”.

Puxa, é impossível duvidar das coisas de Deus crescendo em um ambiente assim, não é!? Não, não é! E por uma simples razão: talvez Jesus tenha frustrado as expectativas de João.

Creio que a Bíblia ainda é o livro mais lido do mundo, dentre tantas razões, por não esconder a fragilidade de seus heróis. Sim, João foi um grande herói. Jesus chega ao ponto de dizer que ninguém era maior do que João — um pedaço simples de cana, mas que não se quebrava com a força do vento. Mas como todo grande herói, João agora estava preso, sozinho, vendo a morte bater à sua porta… tão angustiado que manda perguntar ao primo: “Você é mesmo o Messias?” Talvez, João esperasse que Jesus não apenas o libertasse, mas libertasse a todo Israel como um grande Rei e General, como havia sido profetizado. Talvez, e só talvez, João não esperasse um Jesus tão “misturado”, comendo e bebendo com pecadores — “Feliz é aquele que não se escandaliza por minha causa”, conclui Jesus enviando Seu recado ao primo na prisão.

O Espírito de Deus colocou essa mensagem em meu coração para lhe perguntar: “Por que você está tão triste e abatido? Não era isso que você esperava, não é? Não era dessa forma que você queria, eu sei… Mas ouça o que o Espírito lhe diz hoje: tire o foco do problema! Olhe ao seu redor, muitos cegos estão vendo o que estou fazendo em sua vida, muitos deficientes estão se levantando por sua causa, muitos estão abandonando o pecado que lhes corroía como lepra através do seu testemunho… Até mesmo alguns que já estavam mortos estão voltando-se para Deus!” (Lc. 7.22)

Acredite, eu lhe entendo! Se somos separados e nos santificamos, “lá vai o santarrão”. Se nos misturamos e somos divertidos, “mas você não é crente???”. Como disse Jesus, eles são como crianças chatas na praça que não sabem brincar! (Lc. 7.32). Por isso, ouça-me mais uma vez: levante-se, respire fundo e limpe essa poeira dos pés — a jornada ainda é longa. É tudo que eu posso lhe dizer por ora.

No amor do Pai,

Roger

Quem leu esta reflexão também gostou de

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *