Incoerência, Reflexões

Não adianta vender o sofá

image_pdfimage_print

Dificilmente frequento a piscina do condomínio. Mas, dia desses, tomando sol, notei que tiraram o bebedouro. Perguntei a um vizinho o porquê, e ele respondeu: “Cara, disseram que as crianças estavam fazendo bagunça com a água gelada. Aí, por conta disso, ninguém bebe mais”. O cara deu uma pausa como quem reflete, e completou: “…é como se você pegasse sua mulher te traindo no sofá de casa e vendesse o sofá pra ela não fazer mais isso.” É… a sabedoria popular ainda explica muita coisa. rs

Mas esqueça o sofá. O assunto aqui é outro! É que vez ou outra aparecem pregadores ou gente que adora um discurso bonito condenando as redes sociais. E claro, o Facebook, por ser a mais popular das redes, é sempre a mais associada ao Capiroto. Mas será que o problema é realmente o Facebook? Será que Mark Zuckerberg é realmente o enviado do Tinhoso? Foi assim com a televisão, foi assim com o telefone, foi assim com a web-cam e sempre será assim. O crente legalista sempre vai jogar a culpa em um intermediário. É como ver a Eva deixando o Jardim e praguejando: “Maldita maçã!”

facebook-wide

O Facebook não é do diabo. É do Mark! A não ser que ele venda sua parte ao Pé Preto. O mais impressionante é perceber como a rede reflete exatamente o que as pessoas são na vida real. As mesmas pessoas que causam intrigas na igreja são as que aparecem por aqui postando: “Podem me julgar, mas quem sabe da minha vida é Deus”, “Odeio indiretas no Facebook”, “Vão ter que aplaudir minha vitória de pé” e mais um monte de baboseiras gospel só pra causar. Isso para não falar nas fotinhos sensuais e nos palavrões.

“Ah, mas se você não estivesse no Facebook estaria orando ou lendo a Bíblia.”

Amigo, quem ora já tem a sua hora reservada de oração. Quem gosta de ler a Palavra já tem seu momento de estudo agendado. Por outro lado, quem não ora e não lê, não faz isso nem com todo o tempo do mundo sobrando. Facebook é a terceirização da culpa de muita gente.

Enfim… moral da história? Não importa onde estejam, no real ou no virtual, os falsos sempre vão “curtir” seu jantar com amigos ou “compartilhar” a sua vida. O bom é que cedo ou tarde a verdade vem à tona. E como tudo que se espalha na rede, vai ser difícil deletar.

Roger

Quem leu esta reflexão também gostou de

  • O silêncio do EternoO silêncio do Eterno Quando falamos em batalha espiritual, muitos são os “especialistas” dessa área. Gente que tenta desvendar mistérios que nem mesmo a Bíblia […] Posted in Reflexões, Comunhão
  • Preciosa, mas coniventePreciosa, mas conivente Com o passar dos anos, ela foi entendendo que a paixão tinha prazo de validade, mas também foi graciosamente surpreendida pelo amor. E […] Posted in Reflexões
  • Chamado ou Obrigação?Chamado ou Obrigação? Essa semana, uma amiga pediu minha ajuda na correção de uma de suas canções. Não sou nenhum Pasquale, tampouco teólogo, mas gosto de […] Posted in Reflexões, Esperança
  • Servindo ao Deus da obraServindo ao Deus da obra Durante esses últimos 10 anos de Escola de Adoração, praticamente em todas as edições, vez ou outra, fiquei depois da aula ouvindo, […] Posted in Reflexões, Pastoral

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.