Pastoral, Reflexões

Engrenagem

image_pdf

É engraçado como o ímpio planeja seus atalhos para se dar bem e, valendo-se de suas maldades, acaba conquistando status e felicidade. Vendo isso, alguns crentes caem em tentação e querem imitá-los. Aí, dá tudo errado. Quer saber minha tese do porquê?

Não, não é castigo de Deus ou um complô do inferno para destruir a vida do semi-fiel. Me parece que aqueles que decidem caminhar com Cristo acabam desenvolvendo uma sintonia perfeita com o Eterno, quase como uma engrenagem. Acostumam-se com o sincronismo e já não se preocupam mais em como fazer o mecanismo girar, afinal, quem faz não é a pessoa, mas o Eterno.

Já o ímpio vive por si e pela sorte. Acostumou-se desde cedo a correr atrás sem esperar cair do Céu, o que é uma bênção. Embora se valha de seus esqueminhas e de suas chantagens, nada tem a perder. Alivia sua culpa com o “todo mundo faz” e justifica sua ganância chamando-a de determinação.

Quando o crente segue por esse caminho, tira daquela engrenagem tão simetricamente ajustada o componente principal, a “vontade do Eterno”. Quando essa pecinha é tirada do centro, tudo se desmantela. O tempo para, não se acertam os ponteiros e a vida se perde num minuto.

Se de fato é assim, não sei. É só um achismo. Só tenho de concreto um dizer do salmista: não siga o conselho do ímpio, não imite a sua conduta, nem sequer coma com eles… porque são como palha levada pelo vento e o seu caminho leva à destruição.

Mas sei lá… vai que não é nada disso, né? Boa sorte!

Quem leu esta reflexão também gostou de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *