Esperança, Reflexões

Senhor, eu quero ver!

image_pdfimage_print

Essa, sem dúvida, é uma daquelas perguntas do Cristo que nos causa, no mínimo, estranheza. Meu Deus, quem, em sã consciência, tendo todo o poder do Universo, perguntaria a um cego “O que queres que eu lhe faça?”. Gente, o que Jesus esperava como resposta? “Quero uma bengala nova, Jesus!” ou “Senhor, que tal um cão guia?”

Quando a Bíblia se cala a respeito de um assunto, temos margem apenas para suposições. Portanto, é impossível afirmar, com certeza, o porquê da pergunta de Jesus. Assim, ouso propor uma reflexão.

Talvez, a pergunta de Jesus tenha a ver com a revelação que temos de quem Ele é e do Seu poder. Talvez, e só talvez, o Mestre quisesse trazer à tona a fé de Bartimeu, como quem diz: “Você sabe quem eu sou? Você sabe mesmo do que eu sou capaz?”

Definitivamente, Jesus não precisa de nossa fé para realizar um milagre, contudo, Ele quer gerar em nós não apenas uma fé poderosa quanto ao que Ele é capaz de fazer, mas a respeito de quem Ele é para nós.

Estudiosos dizem que a capa de Bartimeu era uma espécie de autorização para a mendicância. Se isto for verdade, ao tirar a capa e jogá-la pro lado, o cego se levanta já na certeza de que não precisaria mais daquilo. O desespero do filho de Timeu, ao ouvir que Jesus estava passando, nos mostra o quanto ele acreditava que aquela era “a” sua chance.

Creio que Jesus deseja ouvir de nós a respeito de nossas expectativas a Seu respeito. Talvez, e só talvez, nossas palavras de oração invadam o mundo espiritual como declarações de fé, como marretas que despedaçam correntes de dúvidas e temor, mas por nossa falta de fé e cegueira espiritual, temos mesmo que clamar: “Mestre, eu quero ver!”

Quero então, em nome Jesus, fortalecer a sua fé neste dia através do encorajamento.

Mesmo que todos ao seu redor estejam te dizendo que essa oração é loucura e mandando você ficar quieta ou quieto, que toda essa chacota seja seu combustível de fé para que você clame ainda mais alto: “Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!”

No amor do Pai,

Roger

Quem leu esta reflexão também gostou de

  • Adorar para que?Adorar para que? Aquela bajulação toda já estava dando nos nervos. É verdade que vez ou outra a gente fica feliz quando dizem que somos servos de Deus […] Posted in Reflexões
  • O que não te contaram sobre nósO que não te contaram sobre nós Se há algo que me incomoda profundamente é pensarem de mim o que não sou. E engana-se quem acha que se trate de um desabafo. Na verdade, […] Posted in Reflexões, Provações, Esperança
  • 4 loucos4 loucos De repente, Jonas sussurra: “Tiagão, tive uma ideia!” “Mano, lá vem o Jonas ‘cá zideia’ furada dele. Qual é dessa vez?” – debochou […] Posted in Reflexões, Comunhão
  • O controle da pandemiaO controle da pandemia Hoje é dia 25 de março de 2020. É preciso datar esse texto porque, no momento, tudo o que dizemos tem validade de no máximo um dia. […] Posted in Reflexões, Esperança

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *