Reflexões

Já basta, Senhor!

image_pdfimage_print

Era cada vez mais evidente que aquela multidão estava seguindo Jesus apenas pelos milagres que Ele podia fazer. Em breve, o próprio Mestre iria confrontá-los com essa verdade. Mas por ora, parece-me que outro incômodo crescia em alguém.

Pouco se sabe sobre Filipe, o apóstolo, e seria precipitado afirmar qualquer coisa sobre seu temperamento, mas ouso arriscar um palpite: Filipe era prático e realista. O texto do evangelho de João vai dizer que Jesus vê uma grande multidão se aproximando e pergunta ao discípulo: “Filipe, onde vamos comprar pão para esse povo comer?” (Jo. 6.5)

Sejamos honestos aqui. Você está seguindo um cara que se diz Deus. Tudo o que Ele diz é misterioso e fora da sua realidade humana. Esta seria a primeira multiplicação de pães, portanto, não havia nenhuma dica do que iria acontecer ali. A resposta de Filipe é irônica, mas coerente: “Nove mil reais não seriam suficientes para comprar um pão pra cada um!”

Mas a praticidade de Filipe seria escancarada um pouco mais à frente. Jesus está no meio de uma pregação linda sobre as mansões celestiais, e imagino a ansiedade fervendo dentro de Filipe. Tomé abre caminho: “Senhor, a gente não sabe nem pra onde você vai, como vamos saber o caminho?”Enquanto Jesus, calmamente, está apresentando-lhes uma das maiores revelações bíblicas, creio que Filipe explode: “Senhor, chega! Vamos ser práticos aqui??? É muito simples: mostra-nos o Pai e isso nos basta!” (Jo. 14.8)

O questionamento de Filipe nos parece ousado e desrespeitoso. Embora estas não tenham sido exatamente suas palavras (uso de liberdade poética e interpretação pessoal aqui), confesso: essas seriam as minhas palavras.

Em algumas situações da vida, tudo o que eu queria era uma resposta clara e objetiva do Senhor. Não queria parábola, não queria sonho, não queria anjo, queria apenas um simples: “Foi por isso que permiti…”

E nesse desespero de alma, quando quero interromper qualquer discurso do Mestre, encontro resposta à minha aflição num pequeno adendo feito por João quanto à pergunta de Jesus a Filipe: “[Jesus] Fez essa pergunta apenas para pô-lo à prova, pois já tinha em mente o que ia fazer”(Jo. 6.6)

Eu sei que pregações, conselhos, testemunhos e até orações, muitas vezes, acabam não sendo suficientes pra nós. Sei que sua vontade (como a minha) é de gritar e dizer: “Senhor, me explica! Você é Mestre”.Contudo, cabe a nós crer que Ele está provando-nos e já sabe exatamente o que vai fazer.

Que tenhamos a humildade e o temor necessários para absorver esta verdade: Ele não tem que nos explicar nada do que faz. Até porque… quem disse que entenderíamos?

No amor do Pai,

Roger

Quem leu esta reflexão também gostou de

Publicado por Roger da Escola

L. Rogério (o “Roger da Escola”) é pai da Bia, fundador da Escola de Adoração, formado em Sistemas, Marketing, Comunicação e, em breve, Teologia. Fã do Cheescake Factory e de The Big Bang Theory.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *